quinta-feira, 10 de março de 2011

(Re)Encontro.



Estavam em um parque, sentados em um banco, era um daqueles dias frios de inverno mas com o encanto do outono. Fazia tempo que não se viam, ele estava retornando de uma longa viagem. As coisas não eram mais como antes por mais que a cena fosse familiar.

Eles se olhavam, cúmplices, como se soubessem de um segredo muito importante e que ninguém mais sabia. Ele a olhava nos olhos como se barganhasse por respostas, como se em algum lugar do olhar misterioso dela houvesse uma explicação para tudo aquilo que ela o fazia sentir. Ela retribuia o olhar, um olhar calmo, brando, gentil... Era como se ela tivesse dando permissão para que ele vasculhasse sua alma pelos seus olhos.

E as horas se passaram, o frio aumentou e ele deu seu casaco para que ela vestisse e se aquecesse. Eles se abraçaram e seus corações batiam no ritmo um do outro, eram como peças de quebra-cabeça que tinham se encontrado e se completado.

Muita coisa havia mudado, é verdade. O Bernardo que foi não foi o mesmo que voltou, nem a Julia. Mas a essência do sentimento mútuo não tinha mudado e eles sabiam. O silêncio não incomodava, nem as palavras, nem nada. Eles agora estavam olhando o horizonte enquanto o céu se explodia em cores, em beleza, nesse mais um pôr-do-sol e ao mesmo tempo primeiro.

Ela queria voar e ele queria ser suas asas. Alquimia magnífica de sentimentos. Ele não queria mais ir embora e ela sabia que não o deixaria partir novamente.

2 comentários:

Cris Menegussi disse...

Adorei!!
Te vi na comu no orkut, tô seguindo já..posso contar com vc tb? bjs
www.crismenegussi.blogspot.com

espero vc lá!

Gustavo Tenório disse...

Muito bom seus Textos...
Tem um futuro Promissor!