domingo, 4 de setembro de 2011

E eu resolvi ir embora.

Você diz que vê além, que consegue enxergar muito além do que muitas pessoas, mas, apesar disso, não conseguiu enxergar além dos fatos postos, além do que se foi dito e por vezes silenciado. Ou vai ver conseguiu, quem sabe. Isso é triste, sabe? Triste e ao mesmo tempo cômico, pois vira uma guerra sem sentido. Vira uma guerra onde não há guerra. Motivos são apenas fatores, fatores que compõem algo tão maior, que dizer respeito a tantas outras coisas. Não resuma tudo a uma pequinês sem tamanho.

Às vezes as pessoas tomam um rumo diferente e nem notam. Vão mudando sutilmente ao passar do tempo que só depois de muito tempo que se percebe. Pensamentos, formas de agir, jeito, gostos... Tudo vai mudando. E como sempre nós mudamos. Mas essa vez foi diferente das outras, dessa vez começamos a caminhar em estradas paralelas, afastadas, que não se cruzavam.

Eu não conseguia mais te reconhecer, reconhecer aquela pessoa que tanto conhecia em uma outra pessoa totalmente mudada. Certo e errado são termos tão relativos, tão passiveis de interpretações, que não vou ficar dizendo que alguma de nós ta certa e a outra errada. Há divergências no que é pra mim e no que é pra você, digamos assim. E chega uma hora que você tem que decidir se anda pra frente, por outros caminhos, outras ruas, ou se persiste à passos lentos no mesmo caminho em rumo a nada. Eu escolhi partir. Você pode me criticar por isso se quiser.

Mas acredito que ninguém é obrigado a nada nessa vida. Ninguém é obrigado a aturar, a compartilhar, a concordar com jeito, defeitos, bagagem,... de ninguém por simples fato de tempo, tempo de amizade, tempo de compromisso. Caminha junto quem vê que realmente quer, quem vê no outro um espelho de si, no sentido de semelhança, não de igualdade plena. Fica junto quem acha que deve ficar junto. E quando não acha, ou deixa de achar, tem mais é que partir mesmo. Você me disse uma vez para eu não me acostumar com o que me faz mal ou que não me faz mais bem. Foi um ótimo conselho, aliás. Então eu parti, não vi mais motivos pra ficar. Parti e não volto, por mais que as lembranças de vez em quando batam na porta e deixem bilhetes.

5 comentários:

Marina disse...

Lindo!! Amei muito!! E isso realmente acontece, o que é muito triste!

Duda disse...

achei lindo e sincero *-*

Ph. disse...

"Então eu parti, não vi mais motivos pra ficar. Parti e não volto, por mais que as lembranças de vez em quando batam na porta e deixem bilhetes."

acaba feito filme ._.'

Anônimo disse...

Triste, lindo e sincero =T

Voltei aqui pq finalmente vi sua permissão para utilizar seu texto ( http://www.fotolog.com.br/pn_com03/69615790 )

Mais uma vez me identifiquei com (parte d)esse... mas no meu caso, ainda é o mesmo caso de onde me identifiquei com o outro rsrs... Lamento muito a perda de uma amizade e agradeço a Deus de não me identificar com seu texto todo :/ mas parabés pelas palavras, sinceras e sensatas... Boa sorte com tudo ;)

Larissa.

Anônimo disse...

Eita...esqueci de mostrar onde pus teu texto:

http://www.fotolog.com.br/pn_com03/69573336

;)